Industrial

O setor industrial é responsável pelo consumo de aproximadamente 48% de todo o gás natural usado no país. No ano de 2009, foram consumidos 8,1 milhões de metros cúbicos desse energético. Apesar desse consumo significativo, o combustível corresponde apenas por cerca de 9% da energia utilizada pela indústria (1).

A Figura 1 apresenta o consumo de gás natural no setor industrial de 1970 a 2009. Observa-se que o consumo industrial passou a se tornar relevante à partir do ano de 1986 quando a quantidade de 1 milhão de metros cúbicos foi atingida. O início das operações do Gasbol também foi um marco importante, aumentando o ritmo de crescimento do consumo do energético à partir dos anos de 1999/2000. Assim como no setor comercial, observa-se que nos últimos anos o consumo apresentou uma queda, nesse caso, ocasionada  pela crise econômica internacional e pela menor competitividade que o gás natural ainda apresenta frente aos demais energéticos mais tradicionais.


Figura 1 - Consumo de Gás Natural no Setor Industrial de 1970 a 2010 (1)

Em diversos segmentos da indústria, como o de vidro, cerâmico, alimentício e siderúrgico, o uso do gás tem influência direta na qualidade final dos produtos. Na produção de papéis, bebidas, química e petroquímica, há aproveitamento tanto do vapor gerado em caldeira como da eletricidade, por meio de cogeração. Além disso, nos setores têxtil, farmacêutico e de borracha, é usado como fonte primária para geração de calor.

O principal benefício do uso do gás é ambiental. Em condições adequadas, a queima do combustível permite uma redução significativa nas emissões de dióxido de carbono em comparação com a do diesel ou óleos combustíveis. Também tem emissões mínimas de particulados e é isento de emissões de óxido de enxofre (2).

(1) Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Balanprincipalmenteço de Energia Nacional (BEN) 2011. Tabela 3.7a. Rio de Janeiro: EPE, 2011.

(2) Santos et. al. Gás natural: estratégias para uma energia nova no Brasil. São Paulo: Annabume, Fapesp, Petrobrás, 2002.